Bardonecchia e Forte de Exilles: neve, História e lendas.

Antes de começar realmente o ano, não posso deixar de compartilhar com vocês o ultimo passeio que eu fiz em 2012, exatamente no ultimo sábado do ano – 29/12. Fizemos um passeio curto e pratico de carro para uma cidade à 96 km oeste de Torino e que pertence a região do Piemonte, mais precisamente no Val de Susa: Bardonecchia é uma pequena cidade de montanha, de apenas 3 mil habitantes, especialmente famosa pelas estações de esqui e muito procurada pelos entusiastas de esportes de inverno – inclusive foi uma das sedes dos eventos dos Jogos Olímpicos de Inverno de 2006. Atravessando as montanhas chega-se exatamente na fronteira com a França.

Construçao tipica de montanha, em Bardonecchia.

Construçao tipica de montanha, em Bardonecchia.

O nome da cidade vem do povo que a ocupou no inicio da Idade Média, os longobardos (“Bardonisca”, “Bardonesca” e finalmente “Bardonecchia”). A região foi palco de varias invasões, imigrações, conquistas e guerras já desde o século X com os Sarracenos, com Napoleão no século XVIII até as guerras mundiais no século XX com a invasão do vale pelas tropas alemãs – impedindo o turismo estivo e invernal que já acontecia nas montanhas desde o inicio dos 1900.

Pequenas portas e colinas... o que isto me lembra?

Pequenas portas e colinas… o que isto me lembra?

Bardonecchia.

Bardonecchia.

Nós saímos de carro no meio da manha e chegamos à cidade um pouco antes de meio-dia, praticamente a tempo de ver as lojas, cafés e locais fechando para a pausa do almoço (sim, mesmo durante as férias de Natal!). Com alguma sorte encontramos um café aberto e uma nativa gentil disposta a dar um pouco de informações sobre a cidade. Partimos para um pequeno passeio nas ruas da cidade velha; pequena, mas tipicamente de montanha! Impossível não se sentir em algum livro ou romance histórico ao caminhar por ruelas estreitas e ver muros de pedra antigos. O clima estava bom e tinha sol, mas podia-se ver que havia nevado e a neve estava acumulada em grandes montes pela cidade.

Praça da Igreja.

Praça da Igreja.

O foco principal são os esportes de montanha durante o inverno (esqui, snowboard, etc) e esportes ao ar livre durante o verão (escaladas, passeios de bicicleta e montanhismo), então a cidade funciona como um centro para hotéis, albergues, restaurantes e comércio local, sem museus ou algo parecido; o aspecto mais histórico é a cidade em si, a sua arquitetura e estilo de vida. Além das pessoas que visitam a cidade para praticar algum esporte, existem aqueles que simplesmente passam uma semana nas cabanas de montanha aproveitando a natureza e a tranquilidade. Saímos da cidade de carro e fomos ver um pouco das montanhas ao redor e do pessoal descendo de esquis e snowboards.

. . .

Esqui.

Esqui.

Neve!

Neve!

Depois de um passeio e varias fotos para registrar a paisagem impressionante, o dia já estava começando a escurecer (no inverno os dias já são curtos, atras de grandes montanhas então, o sol vai embora muito rápido!) e ainda havia outra escala para se fazer. Fomos em direção ao Forte de Exilles, também no Vale de Susa e um pouco mais a leste na estrada.

Vista do Forte e do Vale.

Vista do Forte e do Vale.

O forte é considerado um dos pontos defensivos mais importantes da região Piemonte: localizado exatamente no meio do Vale de Susa, era o ponto ideal para defender qualquer um que tentasse atravessar, principalmente para quem tentasse invadir o vale e a região a partir dos alpes e da França; porém não era inexpugnável e o domínio do forte mudou de mãos algumas vezes, principalmente entre os franceses e a dinastia Savoia. Historicamente, os primeiros registros são do século VII – um cronista da época cita que sobre o rochedo de Exilles se encontrava uma primitiva fortificação destruída então pelos francos. No século XV, já com um castelo, o forte era propriedade dos reis franceses da época. Durante estes séculos até o XVII, a fortaleza ganharia mais construções, aumentando de tamanho (torres, fossos, muralhas e outras partes) e passaria dos franceses para os Savoia e vice-versa, varias e varias vezes! Depois disso Exilles ainda veria a Guerra de Sucessão Espanhola, a Invasão Austríaca, até Napoleão Bonaparte, quando o forte foi destinado a destruição; seria reedificado somente em 1814, quando voltou ao domínio da dinastia Savoia. Durante as guerras mundiais serviu como caserna, prisão e centro de acolhimento e treinamento dos soldados italianos que seriam enviados ao leste europeu e outras frentes de guerra. Em 1943 foi abandonado pelo exército e deixado para ser depredado por saqueadores e desastres climáticos. Em 1978 foi adquirido pela Região Piemonte, que o restaurou; o monumento histórico foi estruturado como museu e aberto ao publico somente em 2000.

Patio central.

Patio central.

Elevador impressionante construido no meio da rocha cortada, leva até a parte de cima da fortaleza.

Elevador impressionante construido no meio da rocha cortada, leva até a parte de cima da fortaleza.

Entrada

Entrada

Os bilhetes para visitar o forte custam 10€ (bilhete inteiro), mas todo o percurso interno pode durar até 2 horas e meia e existe muita coisa para se ver; muitíssimo interessante principalmente se você for um apaixonado por História, grandes construções e lendas! A visita consiste em varias partes: com o acompanhamento de um guia, você pode visitar tanto o teto, a sua estrutura interna e um patio com vista panorâmica, quanto os subterrâneos, as prisões, os túneis e os fossos do forte – ambas as áreas não são abertas ao publico sem a presença do guia, mas não existe nenhum custo adicional, esta tudo incluído no bilhete. Depois dos dois percursos guiados, você ainda pode ver todas as galerias com as roupas dos exércitos que passaram pelo forte, entre outras coisas. A estrutura é dotada de um café, uma loja de souvenires, uma recepção com guias e informações e serviços.

Teto e 'subteto'.

Teto e ‘subteto’.

Tuneis...

Tuneis…

Fosso.

Fosso.

Além de toda a História oficial que você aprende sobre o forte e a região, você também pode perguntar ao guia sobre as lendas que existem a respeito do local… Uma delas diz que em uma certa época da Idade Moderna, no forte de Exilles e em tantas outras fortalezas, castelos e prisões do sul da França e do Piemonte, um prisioneiro particular teria sido repetidamente remanejado, nunca ficando muito tempo na mesma prisão (ou abrigo, ou esconderijo…). Não existe nenhum registro histórico ainda encontrado, mas a lenda local diz que esse prisioneiro era diferente: não se via a sua face, era o único a ficar em uma cela solitária e essa cela era totalmente vedada à prova de som, para ninguém pudesse ouvir qualquer som que saísse dela… Como a região do Vale de Susa nessa época era de domínio francês, faz pensar que poderia ser um prisioneiro importante para a corte mas que tinha que ficar o mais longe possível da capital Paris e da corte francesa, para não criar problemas.

O turismo local se aproveita das lendas, e no fim do dia, após terminar a visita, paramos num café/bar/restaurante/hotel ao lado do Forte para tomar um café e um chocolate quente: o nome do café não era nada mais nada menos que ‘Maschera di Ferro’, e a decoração interior era toda nesse tema, com espadas enfeitando as paredes e mascaras de ferro servindo de luminárias….

Vista panoramica.

Vista panoramica.

Quer ver mais fotos? Acesse os meus albuns do Flickr, la voce encontra muitas outras fotos do passeio que nao caberiam aqui. Forte de Exilles e Bardonecchia.

• Informações:
Para quem se interessou pelo Forte, ele tem um site oficial com todas as informaçoes sobre o museu.
Para quem se interessou pelo café, ele esta marcado no mapa do blog, junto com os outros locais citados no post de hoje.

4 respostas em “Bardonecchia e Forte de Exilles: neve, História e lendas.

  1. ADORO lendas antigas! Imagina se for realmente verdade o do homem da máscara de ferro? Achei o lugar lindo, apesar de ser difícil para mim imaginar itália + neve. Na minha cabeça é um lugar de sol em todas as partes hahaha! Amei suas fotos, to indo ver as outras no flickr!

    • Nao é? Também adoro! Ainda mais essas misteriosas e cheias de polemicas… hahahhaah A Guia do museu falou que o tal prisioneiro ficou ali no Forte de Exilles por 7 anos, sem ninguem nunca saber quem ele era, pois o nome nao aparecia em nenhum registro… O Norte da Italia é cheio de neve, mas somente no inverno. Tem de todas as estaçoes e climas aqui ^^ Obrigada! :D

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s